close
logorovivo2

VOLTOU ATRÁS: Bolsonaro diz que vai manter Trabalho com status de ministério

No último dia 7, Bolsonaro havia dito que o ministério seria extinto e incorporado a outra pasta, sem especificar qual.

RONDONIAOVIVO

13 de Novembro de 2018 às 15:08

VOLTOU ATRÁS: Bolsonaro diz que vai manter Trabalho com status de ministério

FOTO: (Divulgação)

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), voltou atrás em mais um anúncio nesta terça-feira (13) e disse que o Trabalho manterá status de ministério, sendo reunido com outra pasta, ainda indefinida.

 

No último dia 7, Bolsonaro havia dito que o ministério seria extinto e incorporado a outra pasta, sem especificar qual.

 

"Vai continuar com status de ministério, não vai ser secretaria não", declarou o presidente eleito, em entrevista coletiva na saída de visita ao STM (Superior Tribunal Militar), em Brasília.

 

"Vai ser ministério 'disso', 'disso', 'disso' e Trabalho", explicou, sendo questionado em seguida se haveria, então, uma fusão. "Tanto faz. É igual [o atual] Ministério da Indústria e Comércio. O que vale é o status [de ministério]", complementou.

 

Ele disse ainda que não tem o nome do futuro ministro desta pasta.

 

Ao ser questionado se a pasta não seria mais extinta, como foi anunciado, Bolsonaro foi inicialmente mais vago em sua explicação.

 

"Eu não sei qual vai ser, está em estudo final com o Onyx Lorenzoni [futuro ministro da Casa Civil e coordenador da equipe de transição] e mais algumas pessoas trabalhando nessa área. Temos tempo para definir, mas a princípio é um enxugamento de ministérios, ninguém está menosprezando o Ministério do Trabalho. Está apenas sendo absorvido por outra pasta", comentou.

 

De acordo com Bolsonaro, o Trabalho não deverá se juntar a Indústria e Comércio, que será incorporada ao "superministério" da Economia. "Botar mais o Trabalho lá acho que fica um pouco pesado", declarou.

 

A pasta, que também abrigará os atuais ministérios da Fazenda e do Planejamento, vai ser comandada pelo economista e investidor Paulo Guedes.

 

Até o momento, há sete futuros ministros já confirmados:

 

  • o investidor Paulo Guedes (Economia);
  • o juiz federal Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública);
  • o deputado federal Onyx Lorenzoni (Casa Civil), do DEM-RS;
  • o general da reserva Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional);
  • a deputada federal Tereza Cristina (Agricultura), do DEM-MS;
  • o astronauta Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), que é tenente-coronel da reserva da Força Aérea Brasileira;
  • o general Fernando Azevedo e Silva (Defesa), atualmente assessor do STF.

 

Durante a campanha, o presidente eleito prometeu reduzir o número de ministérios dos atuais 29 para 15. Nesta terça, ele afirmou que o número já chegou a 17 e pode ser acrescido de mais um. "Se tiver que aumentar mais um ou dois, que aumente". A gente não pode é prejudicar a administração da nação por fixar um número 15", disse.

 

Questionado sobre os planos de sua equipe para o corte de cargos de confiança [comissionados] nas estatais, especialmente nos bancos, Bolsonaro disse pretende diminuir "e botar gente comprometida com outros valores lá dentro".

 

Mas evitou entrar em detalhes sobre números de cortes. "Eu não posso falar o percentual. No mínimo aí 30%", afirmou.

 

Em seguida, lembrou o período de 30 anos como vereador do Rio de Janeiro e deputado federal pelo estado, quando trabalhou ao lado de comissionados. "Eles são importantes. Mas eu concordo com vocês que há um exagero no número de comissionados nos ministérios."

 

Visitas a tribunais

 

O dia do presidente eleito foi ocupado com encontros com ministros de tribunais superiores.

 

No início da tarde, Bolsonaro fez uma rápida visita ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), onde se encontrou com a presidente da Corte, ministra Rosa Weber. O presidente eleito chegou e saiu do local sem falar com a imprensa, que se aglomerou na entrada da sala da Presidência do tribunal.

 

Segundo o TSE, Rosa Weber entregou a Bolsonaro um exemplar da Constituição. Após o encontro, o presidente eleito fez uma vista ao plenário da Corte, local onde ocorrerá a cerimônia de sua diplomação no próximo dia 10 de dezembro.

 

Já no encontro com o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, aberto a jornalistas, Bolsonaro se disse "muito honrado" de ser recebido e acenou para cooperação com a Corte.

 

"Na verdade, juntos nós devemos administrar esse país. Sozinhos, nada conseguiremos. O Brasil enfrenta problemas seríssimos de emprego.


E o que nós pudermos, em conjunto, aperfeiçoar a legislação para que esse impasse seja resolvido, vossa excelência conte comigo. E eu tenho certeza que conto com vossa excelência também", declarou.

 

"Quem primeiro deve dar o sinal de pacificação somos nós, para que evitemos problemas lá na frente com outros tribunais", acrescentou Bolsonaro.

 

Na fala, ele também reconheceu a necessidade de "deixar de lado o espírito aguerrido que acontece muito por ocasião das eleições para somarmos forças juntos".

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS