Rondoniaovivo.com

Sexta-Feira, 28 de Fevereiro de 2014 às 15:38

COMUNICAR ERRO

Usinas trocam acusações por cheia no Rio Madeira

A cheia do Rio Madeira renovou a rivalidade entre as hidrelétricas Jirau e Santo Antônio, que ficam no próprio Madeira, em Rondônia. A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), que detém a concessão de Jirau, atribui parte dos estragos na região - especialmente nas cidades de Jaci-Paraná e Porto Velho - à operação da Santo Antônio Energia (SAE).
Segundo o diretor-presidente da ESBR, Victor Paranhos, se a SAE seguisse a regra proposta à Agência Nacional de Águas (ANA), em março de 2012, os impactos em Jaci-Paraná e Porto Velho seriam inferiores ao verificado atualmente. Pela proposta, diz ele, a empresa teria de iniciar a redução do nível do reservatório para a cota de 68,5 metros quando a vazão do rio chegasse a 34 mil metros cúbicos por segundo (m³/s). No dia 3 de fevereiro, o reservatório estava na cota de 70,4 metros e a vazão era de 38.315,68 m³/s.
"E ainda querem elevar a cota para 71,3 metros. Numa situação como a atual, subir mais um metro deixaria Jaci-Paraná praticamente debaixo d'água", afirma Paranhos. Segundo ele, se isso ocorrer, os impactos observados agora podem ser ainda piores no futuro. Nas últimas semanas, com a pior cheia nos últimos 100 anos, várias cidades de Rondônia ficaram alagadas, milhares de pessoas desabrigadas e o acesso para o Acre foi interrompido por causa das rodovias inundadas.
Do outro lado, a Santo Antônio Energia (SAE) publicou comunicado afirmando que o rebaixamento do reservatório de sua usina foi determinado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) "para evitar que as estruturas provisórias de Jirau - como suas ensecadeiras - fossem afetadas, já que não foram dimensionadas para uma cheia como a que está acontecendo no Rio Madeira".
Com o rebaixamento, disse a SAE, faltou uma queda mínima na barragem (diferença entre o nível do rio acima e abaixo da barragem) para o funcionamento das turbinas. Por isso, a hidrelétrica teve de ser desligada no início da semana - até então, 14 máquinas estavam em operação, enviando parte da energia para o Sudeste.
Paranhos, no entanto, tem outra versão. Pelas regras do edital, as turbinas deveriam operar com queda mínima de seis metros. Mas elas só funcionam com queda de nove metros, diz ele. "As minhas turbinas funcionam com quedas bem maiores que as deles. Tem de saber porque isso ocorre." A SAE, formada por Odebrecht, Andrade Gutierrez, Furnas, Cemig e um fundo da Caixa, não respondeu ao pedido de entrevista do Estado.
No início da semana, o presidente da ESBR, cujo principal acionista é a franco-belga GDF Suez, foi a Brasília reforçar a reivindicação feita à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para rever a autorização de aumento da cota de 70,5 para 71,3 metros de Santo Antônio. Mas o pedido foi em vão. A Aneel manteve a decisão anterior, que significa um aumento de cerca de 200 megawatts (MW) médios na usina de Santo Antônio. Agora dependerá do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) permitir ou não o aumento da cota. Mas a briga ainda poderá parar na Justiça.
Alagamento. Na apresentação feita à Aneel, Paranhos mostrou fotos das rodovias de Rondônia e de Jaci-Paraná debaixo d'água, além das estruturas de Jirau afetadas. Segundo o executivo, o aumento de meio metro da cota de Santo Antônio representou um acréscimo de 83,14 quilômetros quadrados (km²) de área inundada. Com a elevação para 71,3 metros, serão mais 71,53 km². Ou seja, em relação ao projeto original, haverá acréscimo de 154,67 km² de área inundada.
De acordo com a apresentação, o Ibama foi induzido ao erro e emitiu a licença de operação do empreendimento considerando a cota de 70,5 metros, "sem avaliar e quantificar adequadamente os impactos ambientais desta alteração".
Outra crítica de Paranhos é que o fato de Santo Antônio não reduzir o nível do lago até a cota necessária eleva de forma expressiva o volume de água em Jirau, que pode causar danos irreversíveis. Num determinado momento a usina operou com dois metros acima do previsto por causa de Santo Antônio. A cota de Jirau não pode ser superior a 74,8 metros, diz ele.

Tag's:

Fonte: O Estadão.com.br - Imagem ilustrativa





PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
Imagem contato WhatsApp Rondoniaovivo
Capital 06/05/2016 08:50

Folha de maio já está com o Auxílio Alimentação, incorporação e gratificação

Rondônia 06/05/2016 08:50

SEFIN investe para atender contribuinte com agilidade

Esportes 06/05/2016 08:44

Jogador sai da cadeia e quer voltar a atuar

Capital 06/05/2016 08:38

Missão de Marechal Rondon é lembrada no Dia Nacional das Comunicações

Vilhena 06/05/2016 08:33

Mulher é presa com drogas em ônibus interestadual

Brasil 06/05/2016 08:34

Homem pede na Justiça medida protetiva contra Deus

Cerejeiras 06/05/2016 08:28

Saída temporária de Dia das Mães beneficia presos

Brasil 06/05/2016 08:29

Gaeco e PF deflagram 2ª fase da Operação Dubai

Política 06/05/2016 08:20

Escola do Legislativo realiza painel para discutir situação econômica atual

Rondônia 06/05/2016 08:21

Assfapom cobra contratação de bombeiros já formados suspendida pelo governo

Brasil 06/05/2016 08:19

Comissão no Senado se reúne hoje para votar o relatório do impeachment

Impeachment 06/05/2016 08:13

Eduardo Cunha diz que respeita decisão do STF, mas vai recorrer

Geral 06/05/2016 08:11

Confira a previsão do tempo para esta sexta feira em Porto Velho

Pimenta Bueno 06/05/2016 08:00

Foragido é preso em outro município após assalto

Capital 06/05/2016 07:56

OPORTUNIDADE - Confira as vagas de emprego desta sexta

Geral 06/05/2016 07:28

NOVELAS - Veja o que vai acontecer nesta sexta - feira

Esportes 05/05/2016 23:00

Genus perde de 1x0 e joga pela classificação em Campinas

Polícia 05/05/2016 22:20

Adolescente é morto durante motim em Unidade de Internação na capital

Polícia 05/05/2016 22:08

Idoso de 66 anos é espancado por populares após tentar estuprar criança

Polícia 05/05/2016 21:01

Jovem desaparecido é encontrado após fugir de cativeiro