close
logorovivo2

Acusado de incendiar companheiro se entrega à polícia e mantém versão de suicídio

Celulares desbloqueados foram entregues ao delegado que investiga o caso

FOLHA DO SUL ONLINE

17 de Outubro de 2018 às 15:53

Acusado de incendiar companheiro se entrega à polícia e mantém versão de suicídio

FOTO: (Divulgação)

Entregou-se à polícia, na manhã desta quarta-feira, 17, em Vilhena, o cabeleireiro Ozéias Cassimiro de Camargo, 33 anos, que estava com mandado de prisão preventiva decretado, acusado de atear fogo ao companheiro, Daniel Reis, 38, com quem mantinha uma união homoafetiva. O episódio ganhou repercussão em todo o Estado. 



Apesar das suspeitas, Ozéias garante que não atacou o parceiro e que ele é quem teria se suicidado, na tentativa de incendiar os dois. O motivo do gesto extremo teria sido uma crise de ciúmes por parte de Daniel.

 

VEJA MAIS:

 

REVIRAVOLTA: Suspeito de atear fogo em companheiro diz que vítima cometeu suicídio



O delegado Núbio Soares de Oliveira, que investiga o caso, disse que o pai do acusado foi até a Unisp e revelou que ele estava em sua casa. Uma equipe foi até a residência e levou o cabeleireiro para prestar depoimento. Após ser ouvido, ele foi mandado para a Cadeia Pública de Vilhena, na região central da cidade.



Por telefone, o advogado de Ozéias, Roberto Mailho, disse que não acompanhou o interrogatório, mas garantiu estar ciente das declarações dadas pelo cliente. O acusado manteve a versão de que o companheiro tentou matar os dois e acabou ateando fogo em si mesmo.



Para reforçar sua argumentação, o cabeleireiro sobrevivente entregou ao delegado os celulares do casal homoafetivo, após desbloqueá-los, usando as senhas de ambos, que são as mesmas. Os aparelhos contêm os diálogos travados pelos dois, e que confirmariam a versão de Ozéias.



De acordo com Mailho, além das ameaças recentes, feitas por Daniel, os arquivos do WhatsApp também contêm os detalhes da tentativa anterior de suicídio à qual ele sobreviveu. Na época, também por ciúmes, Daniel teria ingerido uma grande quantidade de medicamento controlado, e só se recuperou após uma semana.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS