close
logorovivo2

Educação indígena avança com especialização, internet, professores premiados e ativação do conselho estadual

Vinte novas escolas serão construídas em 2018.

GOVERNO DE RONDÔNIA

22 de Janeiro de 2018 às 14:57

Educação indígena avança com especialização, internet, professores premiados e ativação do conselho estadual

FOTO: (Divulgação)

Em 119 escolas espalhadas por 14 municípios de Rondônia, 3,6 mil alunos de 54 povos indígenas se identificam melhor, mantêm a língua materna e, ao mesmo tempo, adquirem os saberes do terceiro milênio via satélite.

 

“Todas as escolas com energia elétrica ganharão internet, facilitando a formação online e o ingresso no Diário Eletrônico da Seduc; em mediação tecnológica, Guajará-Mirim iniciou com o 1º ano e prepara a expansão”, adiantou o coordenador do Ensino Indígena Antônio Puruborá.

 

Vinte novas escolas serão construídas em 2018. Também serão editados livros e cartilhas em língua materna/Português.

 

No primeiro mês de 2018, Puruborá e a gerente de modalidades temáticas especiais (*) Ana Lúcia da Silva Silvino Pacini alinham as conquistas do ano passado e preveem como será este ano. Atualmente, há 195 professores níveis A (participantes do Projeto Açaí) e B (Açaí mais curso intercultural na Unir).

 

“Rondônia foi o primeiro estado a contratar por concurso público professores com nível superior; antes, a Bahia contratou apenas os de nível A”, destacou Puruborá. Até agora são duzentos contratados.

 

Na terceira versão, o Projeto Açaí deverá formar mais cem até o final de 2018. Dos dez módulos, sete foram concluídos. “A formação continuada de indígenas e não indígenas permitirá o crescimento do projeto e melhor qualidade”, afirmou Ana Lúcia Pacini.

 

Segundo ela, a medida possibilita que o professor antes aprenda a respeito da história, cultura e tradições de cada povo, e não apenas quando chega à aldeia.

 

Atualmente, a gerência de modalidades projeta com a Seduc a criação de uma equipe gestora em coordenadorias regionais de educação, visando ao apoio pedagógico aos professores. A equipe será formada por diretor, supervisor e secretário. Guajará-Mirim, por exemplo, tem 30 escolas em funcionamento. A Procuradoria Geral do Estado definirá a devida gratificação parta supervisores.

 

Vinte novas escolas serão contempladas com investimentos do convênio entre a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) e a Usina Jirau, abrangendo áreas do povo uru-eu-au-au ao kaxarari e aldeias de Guajará-Mirim e Nova Mamoré.

 

O estímulo impulsiona a equipe. Vencedora do Prêmio Educador Nota 10, a professora Elizângela Dell-Armelina Suruí, da aldeia Nabekod Abadakiba, mesclou o estudo da língua portuguesa e da língua de seu povo. O professor Alexandre Suruí produziu o trabalho “Respostas para o amanhã”, resgatando plantas medicinais; e os alunos Oikolalap Sulivan Suruí e Charles Oywewamê Suruí, apresentaram na Feira de Rondônia de Científica de Inovação e Tecnologia (Ferocit) o alisante natural para cabelos, que criaram após o estudo da planta Pãrha sihn.

 

“O desenvolvimento da educação indígena com políticas públicas é fato notório na gestão compartilhada unindo professores e lideranças, uma vitória do governo estadual” – Antônio Puruborá

 

Pouco depois desse resgate aconteceu em dezembro a posse de 22 sabedores e 14 técnicos indígenas dedicados a conhecimentos tradicionais, cujos resultados beneficiarão exclusivamente aldeias em todo o estado. Havendo apoio oficial, poderão ser compartilhados com outras regiões do País.

 

“Este é o diferencial que o governo proporciona, incluindo ainda a escrita e a história que são passadas para novas gerações”, comentou Puruborá.

 

Seis camionetes atendem as aldeias e mais oito serão adquiridas este ano, junto com barcos para o transporte fluvial de pessoas e equipamentos. Os carros facilitarão o acesso às aldeias para entrega de alimentos, materiais diversos e a assessoramento pedagógico aos professores em Cacoal, Extrema, Jaru, Ji-Paraná, Nova Mamoré, Ouro Preto do Oeste e São Francisco do Guaporé.

 

E o comprometimento maior com as etnias rondonienses subirá mais um degrau em fevereiro próximo, quando será instalado o Conselho Estadual Indígena com 15 membros indicados para deliberar sobre políticas públicas no setor.

 

“O desenvolvimento da educação indígena com políticas públicas é fato notório na gestão compartilhada unindo professores e lideranças, uma vitória do governo estadual”, disse o coordenador.

 

Por haver instituído o concurso público no setor, Rondônia tornou-se referência nacional. Puruborá participará da mesa especial que debaterá o tema na conferência nacional no próximo dia 22 de março, em Brasília. Anteriormente, ele participou de outras em Pesqueira (PE) e Florianópolis (SC).

 

Quinze aldeias escolheram delegados e dos aproximadamente 300 que representaram suas comunidades na Conferência Estadual Indígena, 30 irão a Brasília.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS