close

PRECIOSIDADE: Manuscrito de Villa-Lobos está entre raridades achadas por violonista porto-velhense

Não é de hoje que o violonista e professor Humberto Amorim, 39, atende pelo apelido Indiana Amorim

FOLHA UOL

20 de Janeiro de 2020 às 09:30

PRECIOSIDADE: Manuscrito de Villa-Lobos está entre raridades achadas por violonista porto-velhense

FOTO: (Divulgação)

Nascido em Manaus e criado em Porto Velho numa família de advogados, abandonou o curso de direito aos 19 anos para estudar violão no Rio de Janeiro e, junto com a paixão pela música, viu surgir um interesse cada vez maior pela pesquisa em acervos brasileiros atrás de raridades.

 

Amorim calcula ter encontrado 20 mil títulos ou mais, de 1950 para trás, de peças inéditas ou esquecidas. Em 2019, garimpou duas pepitas que vêm a público nesse início de ano em publicações especializadas.

 

Amorim calcula ter encontrado 20 mil títulos ou mais, de 1950 para trás, de peças inéditas ou esquecidas. Em 2019, garimpou duas pepitas que vêm a público nesse início de ano em publicações especializadas. 

 

Ele localizou na biblioteca da Unirio a partitura manuscrita da “Canção do Poeta do Século 18”, de Heitor Villa-Lobos — dada como extraviada nos dois catálogos do Museu Villa-Lobos — e descobriu um periódico brasileiro sobre violão de 1857, O Guitarrista Moderno, numa aventura rocambolesca em Portugal para resgatar os únicos exemplares de que se tem notícia.

 

São achados que coroam a verdadeira obsessão do pesquisador e explicam a comparação com o arqueólogo do cinema em trabalho majoritariamente solitário e sem financiamento.

 

“É um material raríssimo, do qual tive notícias quando fui pesquisador-residente da Biblioteca Nacional, entre 2015 e 2017”, conta. “Pensava-se que o primeiro periódico brasileiro sobre o violão datasse de 1928 mas, nos jornais, descobri anúncios de partituras desde 1810. São 80 anos de uma história submersa, quando o violão era protagonista nos saraus com transcrições operísticas e danças de salão burguesas.

 

O periódico foi publicado pela Imprensa Imperial, a Felippone & Tornaghi, tamanha a força do material à época”.

 

A “submersão” do instrumento como personagem da burguesia e a consolidação da imagem do violão como marca da malandragem se deve, segundo Amorim, a uma “guerra de narrativas”.

 

No olhar que prevaleceu, o violão de concerto brasileiro só surge nas primeiras décadas do século 19. “A partitura mais antiga que a gente conhecia até três anos atrás é de 1904, a inacabada “Valsa de Concerto n° 2”, de Villa-Lobos”, afirma Amorim. 

 

Ele aplica o termo “reconstrução da musicologia” do instrumento no contexto dessa descoberta, que contradiz a noção tão bem representada pelo Policarpo Quaresma de Lima Barreto (“a vizinhança concluiu logo que o major aprendia a tocar violão. Mas que coisa? Um homem tão sério metido nessas malandragens!”) e pelas histórias de prisões “só pelo sujeito ter calos nos dedos”, lembra o pesquisador.

 

Os exemplares do Guitarrista foram encontrados em Portugal. “Nas dezenas de acervos aqui, não havia nada”, lembra. “Quando me dei conta de que houvera edições portuguesas reproduzindo o periódico brasileiro, decidi percorrer os sebos de lá.” 

 

Encontrou no Porto um método oitocentista, de Dionísio Aguado, encadernado com 11 edições da revista brasileira, “exemplares únicos no mundo”, afirma. O preço era de 3 mil euros. Impossível: “eu estava falido, com duas malas cheias de preciosidades. Abri meu contracheque e chorei.

 

O colecionador acabou deixando por 1.200 euros, que peguei emprestados. Chorei de novo no aeroporto, já que não tinha mais um tostão para a bagagem, que acabou indo na cabine por generosidade da companhia aérea”.

 

Já a descoberta da partitura para canto e violão de “Canção do Poeta do Século 18”, de 1953, sai de graça, mas exigiu um mergulho nos arquivos da Fonoteca Pernambuco de Oliveira, na Universidade Federal do Estado do Rio, herdeira do acervo do Conservatório Nacional de Canto Orfeônico de Villa-Lobos, constituído em 1942 com a finalidade de produzir material para os programas de formação e apresentações na época do Estado Novo. 

 

“Chegaram partituras impressas e também manuscritos”, explica Bárbara Ribeiro, a bibliotecária da instituição. “Ficamos, em julho, dez horas por dia catalogando o material passivo, ainda guardado; e lá estava.”

 

O extravio da peça envolve a entrega do único manuscrito por Villa à cantora Cristina Maristany (1906-1966), à qual é dedicada, e a perda do original e da cópia feita pelo violonista Jodacil Damaceno (1929-2010). Restou a gravação, de 1967, de Damaceno com a cantora Ludna Biesek. “Cheguei a tirar a peça de ouvido, fiz uma partitura que circulou por aí”, lembra Amorim, mas o original só agora apareceu.

 

A “Canção” permanece na biblioteca da Unirio. Já os 11 números do periódico estão no estúdio de Amorim no Rio de Janeiro, que tem um sonho: “assim que me recuperar financeiramente, quero montar um centro cultural no Rio para abrigar meu acervo e promover concertos de violão”. 

 

“O Guitarrista é talvez o material mais raro da coleção, mas tenho centenas de raridades da primeira metade do século 19”, diz Amorim.  Com dois livros publicados, entre eles “Heitor Villa-Lobos e o Violão” (Academia Brasileira de Música), tem um sonho com data de validade: se não conseguir o espaço em três anos, vai doar tudo para uma das principais bibliotecas musicais do Rio, as da UFRJ, a da Biblioteca Nacional ou a Fonoteca, na Unirio.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS