close
logorovivo2

OPORTUNIDADE: Ministro libera plantio de algodão geneticamente modificado em Rondônia

A iniciativa foi da Aprosoja, mas todos os órgãos rondonienses ligados ao campo tiveram participação no projeto

ASSESSORIA

25 de Outubro de 2018 às 13:21

OPORTUNIDADE: Ministro libera plantio de algodão geneticamente modificado em Rondônia

FOTO: (Divulgação)

O Ministro de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi assinou a portaria que retira o estado de Rondônia da zona de exclusão para o plantio de algodão geneticamente modificado. O posicionamento do ministro foi comemorado pela classe produtora que já mantem expectativa de melhoria da produção tendo em vista a nova postura do governo em relação à cultura do algodão em Rondônia.

 

De acordo com técnicos ligados ao agronegócio, a portaria assinada pelo ministro traz consigo aumento da produção estadual que consequentemente resulta em criação de novos postos de trabalho, fortalecimento da fronteira agrícola, além de diversificação da produção e aquecimento econômico do estado.

 

A portaria que proibia o estado de Rondônia de plantar algodão geneticamente modificado é datada de janeiro de 2015. De acordo com o ex-secretário estadual de agricultura de Rondônia, Evandro Padovani, toda a liberação para plantio começou em 2017, durante o período em que comandou a SEAGRI. “Este é um trabalho que envolveu todos os órgãos estaduais ligados ao campo no estado de Rondônia”, comentou.

 

O ex-secretário explica, ainda, que liberação para plantio irá resultar, somente no Município de Vilhena, aproximadamente 140 empregos diretos. “Há projetos em andamento para a construção de duas algodoeiras no Município, vale ressaltar que o plantio está liberado no estado inteiro. É rotação de cultura, aquecimento econômico e toda sociedade rondoniense ganha com isso”, destacou Padovani.

 

APROSOJA TEM PAPEL FUNDAMENTAL NA EXPANSÃO DO PROJETO

 

Ainda de acordo com o ex-secretário de agricultura, a participação da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Rondônia (Aprosoja) foi de fundamental importância para esta conquista. Padovani explicou que foi a entidade que deu o primeiro passo e percebeu a importância da revogação da portaria que proibia o plantio de algodão geneticamente modificado em Rondônia.

 

A liberação resulta na diversificação de cultura no campo. Isso quer dizer que no período da Safrinha, o produtor poderá plantar, também, o algodão.

 

De acordo com a engenheira agrônoma Regiane Lucas – que participou da execução do projeto em Rondônia pela SEAGRI e atualmente presta serviços para a Aprosoja no Estado – o algodão geneticamente modificado traz diversos benefícios. “Ele é mais resistente à pragas e doenças em comparação ao algodão convencional, isso faz com que a aplicação de defensivos agrícolas seja menor, tornando um produto com mais qualidade, além de proporcionar maior produtividade no campo”, explica.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS